quarta-feira, 16 de maio de 2012

internamento

O Jónatas esteve internado de segunda a sábado no hospital, devido a uma gastroentrite aguda. Esteve a soro até quinta-feira, dia em que começou finalmente a comer. Para ele não comer durante estes dias, era porque a coisa estava mesmo feia, pois é das coisas que mais aprecia fazer.
Os jogos, as histórias, as conversas, as cantigas, os desenhos animados, tudo foi usado para o distrair e animar. Ele esteve à altura do teste e, apesar de não poder sequer sair do quarto, teve sempre uma atitude positiva em relação a tudo o que teve de passar, quer fosse as análises ao sangue, a separação do pai, que entretanto também ficou doente, ou dos manos, que foi o que mais lhe custou. Mostrou, mais uma vez, ser um menino corajoso, amigo, generoso, sensível e bem-disposto. Ah... e foi sem dúvida muito paciente.





No hospital ficou conhecido por o " menino cantor", pois sempre que se sentia melhor cantava e inventava melodias e letras com o que estava viver, como por exemplo: "... gota a gota, devagar, devarinho, vai esvaziando e enchendo o corpinho". Também lhe chamavam o "menino do triângulo", pois fazia um triângulo com as mãozinhas para indicar onde doía a barriga, quando interrogado acerca.
Eis algumas coisas que escrevi no hospital:

[3ª feira]
Esta manhã, ao acordar, informou-me numa voz doce:
-Tenho saudades dos manos. Já não os vejo há um tempão!

[5ª feira]
O Jónatas comeu ao jantar metade do arroz e do frango e meia banana. Comeu muito depressa. Por um lado estranhei, por outro, pensei que o apetite estaria a voltar. O enfermeiro veio saber o que ele tinha comido. Quando este saiu o Jojó perguntou:
- Já estou bom?
Depois de conversarmos, entendi. Uma enfermeira disse-lhe que tinha de comer para ir para casa. Quando lhe perguntei porque tinha comido se não lhe estava a saber bem, começou a chorar e respondeu:
- Doía a barriga... mas eu quero ir para casa ver os manos!

À noite, quando já tinhamos apagado as luzes para dormir, pediu para desenhar. Acendi a luz e fui buscar o caderno e o estojo. Desenhou a cara de um menino a chorar. Mostrou e disse-me: "Isto sou eu a chorar porque estou sem os manos." Pediu-me novamente o caderno e desenhou uma cara feliz. "Sem os manos fiquei a chorar, quando vi os manos fiquei feliz!" Fiz um esforço gigante para não chorar demasiado...
 [sexta-feira]
Generosidade. Tenho lidado com ela nos últimos dias. Ou seja, tenho estado com o Jojó. As demosntrações que faz dela nas coisas pequeninas sempre me fazem sorrir.
*Na 1ª noite acordou e eu estava a dormir. Tentou tapar-me com o lençol dele.
*A insistência dele para que eu vá almoçar, mesmo não querendo ficar sozinho.
*Tentar que ele ganhe o jogo do galo e descobrir que ele estava a tentar não me ganhar propositadamente.
* Jogar com ele dominó, não ter uma peça e ouvir "Queres que eu te dê?" "Não filho, deixa estar." No jogo seguinte dei-lhe uma peça quando ele não tinha um animal igual. Ele aceitou. Mas deu-me outra em troca.
My sweet, sweet boy!

Os manos também foram pequenos heróis, pela forma como se comportaram na nossa ausência e pela preocupação para com o mano. O Samuel informou na escola que o mano era muito corajoso, pois não tinha chorado nas análises ao sangue.
Creio que estes dias permitiram-me conhecer mais um pouco o meu filhote do meio e por isso estou grata. Grata também pelo cuidado constante de Deus para com a nossa família durante esta semana, que chegou de tantas formas. Os momentos difíceis são ideais para constatarmos o quanto nos amamos e como o outro é importante para nós e nos faz falta. Para destilarmos carinho por todos os poros. Os três manos sentiram isso de uma forma bem real nos dias em que estiveram separados. Depois chegou o dia da reunião... e o coração esteve em festa!

[sexta-feira é a festa oficial. acampamento nocturno na sala!]

3 comentários:

© Jardim de Algodão Doce disse...

Ainda bem que tudo voltou à normalidade. Os laços de amor são fantásticos :)

Rute Carla disse...

sim!!! o poder do amor! :)

sara f disse...

encontrar Deus nos vales e saber aprender enquanto se passa por eles... it's growth and it stregthens the faith :)

love*